#6 - O Padrão De Estados Que Conduzem a Erros e o Conceito Dos Gatilhos Mentais

Quando você pensa em todas as lesões já sofridas (acima de 95%) e depois pensa nos quatro erros críticos: olhos longe da tarefa, mente longe da tarefa, entrar na linha de fogo e problemas com equilíbrio, tração ou firmeza; um ou mais desses erros críticos estavam sempre envolvidos.

Bem-vindos novamente à série Mudanças de Paradigmas.

Nesta edição, reuniremos todos os conceitos mencionados nos artigos anteriores para chegar ao que esperamos ser a mudança mais significativa no pensamento até o momento.Como você deve se lembrar, no primeiro artigo discutimos os perigos versus a energia perigosa, o que inclui a energia cinética e a importância do erro humano – especificamente dois erros críticos: olhos longe da tarefa e mente longe da tarefa. No artigo seguinte examinamos as nossas próprias pirâmides de risco pessoal e as três principais fontes de eventos inesperados.

Figura #1
Figura #2

Para quase todo mundo, a Área Pessoal estava acima de 95%. Em seguida, analisamos a natureza contraditória da avaliação de riscos e por que as piores lesões geralmente não vêm das coisas mais perigosas. Pelo contrário, as piores lesões ocorrem quando os olhos e a mente estão longe da tarefa. Falamos sobre os quatro estados: pressa, frustração, cansaço e complacência, mas não especificamente em termos de como cada estado pode causar erros críticos. E não discutimos realmente como a combinação de estados, como o cansaço e a complacência pode ser mortal (pessoas que adormecem no volante). Discutimos brevemente, como desenvolver, ou melhorar nossos hábitos relacionados à segurança, pode ajudar a “compensar” a complacência que leva a mente para longe da tarefa, mas falta ainda falar sobre os outros três estados (pressa, frustração, cansaço) e o que fazer a respeito.

Voltando a pensar nas três Fontes do Inesperado, mais especificamente na “Área Pessoal”, temos que considerar que ninguém tem a intenção de cometer erros. Portanto, toda vez que nos equivocamos, ou calculamos e julgamos mal, sempre será algo inesperado. Enquanto algumas decisões, como por exemplo investir em ações, sabemos que existe um certo risco, nestes casos, se algo der errado, não será algo totalmente inesperado.

Situações indesejadas, como perder o equilíbrio e cair por não ter visto algum obstáculo, desnível ou um piso molhado, são totalmente indesejadas.

Por outro lado, erros como calcular mal a velocidade em uma curva, ou quanto tempo levará para frear no chão molhado, também são possíveis, mas acontecem em uma porcentagem relativamente baixa em comparação com aqueles erros em que nós não pensávamos no asfalto escorregadio, ou quando alguma distração nos impediu de ver uma curva, até que fosse tarde demais.

A própria natureza dos erros já os tornam eventos inesperados, mesmo que, ironicamente, saibamos que todos cometemos erros. Embora alguns erros terminem bem, eles não são a maioria. Muitos deles produzem consequências indesejáveis, por isso ninguém quer cometer erros, assim como nunca tentamos nos machucar. No entanto, quando você não está em movimento, ou quando as coisas não estão se movendo ao seu redor, é difícil se machucar. Você ainda pode cometer muitos erros que desperdiçam seu tempo ou dinheiro, mas o risco de ferimentos acidentais é bastante baixo, quando você, ou algo ao seu redor, estiver parado.

No entanto, quando você começa a se mover e/ou as coisas começam a se movimentar ao seu redor, como carros ou caminhões, então erros como olhos longe da tarefa e mente longe da tarefa podem fazer que você se coloque na frente de um carro em movimento ou na direção de uma linha de fogo. Um ou mais dos dois primeiros erros críticos podem, inclusive, fazer com que você perca seu equilíbrio porque você não viu uma rachadura na calçada.

Figura #3

Portanto, como mencionado nos artigos anteriores, são quatro erros críticos: olhos longe da tarefa, mente longe da tarefa, mover-se ou estar na linha de fogo, ou de alguma maneira perder seu equilíbrio, tração ou firmeza. Você consegue pensar em alguma vez em que se feriu, na Área Pessoal, quando estava olhando para o que estava fazendo, pensando sobre o que estava fazendo, ciente da linha de fogo ou do que poderia vir na sua direção, e você esteve ao menos consciente ou pensando sobre o que poderia fazê-lo perder seu equilíbrio, tração ou firmeza?

Se você é como a maioria das pessoas, não consegue pensar em uma exceção – a menos que esteja relacionado a esportes, mesmo assim, as exceções são raras. Em resumo, isso é tudo, apenas quatro erros que estão envolvidos em mais de 95% de todos os ferimentos acidentais – seja no trabalho, em casa ou no trânsito.

No entanto, como já discutimos, jamais pretendemos cometer erros. Então, devemos observar o que leva as pessoas a cometerem erros ou a maioria deles. Quando você faz essa pergunta, muitas pessoas simplesmente dizem, “Muitas coisas…” mas na realidade são “muitas” ou apenas algumas? Porque se for apenas algumas, então é muito mais fácil de se gerenciar.

Pensando novamente na Área Pessoal, você consegue se lembrar em alguma vez em que se feriu quando não estava com pressa (ou indo mais rápido do que o habitual), quando não estava frustrado ou extremamente cansado, e que não se tornou tão complacente a ponto de não pensar sobre os perigos ou sobre a quantidade de energia perigosa naquele momento?

É provável que você tampouco tenha um exemplo ou uma exceção, a menos que seja de extrema alegria ou tristeza. A extrema tristeza, elizmente, não é algo que temos que enfrentar todos os dias. E a alegria extrema não é um problema na maioria dos locais de trabalho. Mas a pressa, a frustração, o cansaço e a complacência são estados com os quais temos que lidar regularmente e quase que diariamente. Embora você possa dizer “não se apresse”, é difícil dizer “nunca mais fique cansado também”. Portanto, eliminar estes estados ou fatores humanos da vida ou do trabalho não será possível. Mas há boas notícias.

Basicamente, existem apenas quatro estados, e embora não possamos eliminá-los, podemos reconhecer os três primeiros. Podemos dizer quando temos pressa porque temos que fazer um esforço consciente para ir mais rápido do que o normal. Podemos facilmente reconhecer a frustração e podemos reconhecer o cansaço, o que significa que podemos utilizar estes estados como gatilhos para nos lembrarmos de manter nossos olhos na tarefa e nossa mente na tarefa, procurando por uma linha de fogo e por coisas que podem nos fazer perder nosso equilíbrio, tração ou firmeza. Em outras palavras, assim que você percebe que está com pressa, frustrado ou cansado, você precisa rapidamente “ativar seus gatilhos mentais”.

Os gatilhos mentais constituem a primeira Técnica de Redução de Erros Críticos. Basicamente é um processo de dois passos: assim que você “ativa seu gatilho” e volta para o momento presente, seu primeiro impulso ou opção deveria ser o de diminuir seu ritmo, acalmar-se, descansar um pouco, ou fazer uma pausa. Como isso nem sempre é possível no mundo real, então você precisa ter certeza de que mantém seus olhos na tarefa, sua mente na tarefa (no risco do que você está fazendo) e de que você está atento e pensando na linha de fogo e no que pode fazer com que você perca o equilíbrio, tração ou a firmeza. Essa é a segunda parte da ativação dos gatilhos mentais. Como mencionado acima, a chave é fazer isso rapidamente ou rápido o suficiente para evitar o erro.

Embora leve algum tempo até você se tornar bom nesta habilidade, que é eficiente na prevenção de lesões graves, não é tão simples como parece. Ou, como disse Kevin Cobb, “Saber que a pressa é um risco não é muito complicado, mas saber que a pressa é um risco quando você está com pressa isso é um grande truque”. Isso nos leva à neurociência ou à maneira como treinamos nossa mente subconsciente, de modo que sejamos capazes de ativar esses gatilhos rápido o suficiente (mais sobre isso na próxima edição).

Figura #4

A mudança de paradigma neste artigo é a soma de todos os conceitos anteriores para desenvolver a técnica de como ativar seus gatilhos mentais, ou conscientizar-se rapidamente, quando estiver com pressa, frustração ou cansaço, para que você não cometa um erro crítico.

 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO!

Faça o download gratuito do artigo #6 das Mudanças de Paradigmas – O Padrão De Estados Que Conduzem a Erros e o Conceito Dos Gatilhos Mentais – em PDF!

Start a conversation

O seu endereço de e-mail não será publicado.


PRÓXIMA EDIÇÃO: